Comitê alerta pela importância do aleitamento materno que poderia poupar bilhões

Imagem: Se toda a população tivesse sido amamentada ao nascer por, no mínimo, seis meses, cerca de U$ 302 bilhões seriam poupados
Se toda a população tivesse sido amamentada ao nascer por, no mínimo, seis meses, cerca de U$ 302 bilhões seriam poupados
08/08/2018 - 12:51 Por: Fernanda Kintschner   Foto: Victor Chileno

Se toda a população tivesse sido amamentada ao nascer por, no mínimo, seis meses, cerca de U$ 302 bilhões seriam poupados. O dado da Sociedade Brasileira de Pediatria foi um dos apresentados pela presidente do Comitê Estadual de Estímulo ao Aleitamento Materno, Ângela Amanda Nunes Rios, que ocupou a tribuna durante a sessão desta quarta-feira (8), a convite do deputado Marcio Fernandes (MDB).

Outros benefícios, segundo o estudo apresentado por Ângela, do aleitamento materno exclusivo até os seis meses, estendido por dois anos ou mais, são proteções contra infecções respiratórias e gastrointestinais, menos casos de diabetes, otites, leucemias na infância, sobrepeso na adolescência, redução da fome no mundo, mortes infantis seriam evitadas, autismo e outras doenças mentais seriam prevenidas. 

“As crianças que são amamentadas têm Q.I. [Quociente de inteligência] maior do que as que não foram. O estudo também estima que 823 mil mortes de crianças até cinco anos poderiam ser evitadas se fossem amamentadas exclusivamente até os seis meses, com a continuidade do aleitamento até os dois anos”, argumentou Ângela Rios.

A representante do Comitê ainda disse que outros U$ 6 bilhões seriam economizados se o atual índice no Brasil de amamentação até os seis meses subisse para 90% e assegurou que “proteger a amamentação contribui para as crianças e para o mundo”.

O deputado Dr. Paulo Siufi (MDB) agradeceu a presença da presidente e elogiou a iniciativa de incentivar a amamentação. “Não podemos mais admitir que as mães não tenham acesso a informação da importância de amamentar e devemos estimular todas as mulheres a doarem o leite para os prematuros que precisam”, afirmou.

A deputada Antonieta Amorim (MDB) também usou a palavra e relembrou a Lei Estadual 4.728/2015, de sua autoria, que Institui a Semana Estadual da Amamentação, no âmbito do Estado de Mato Grosso do Sul e tem por objetivo de reunir ações de promoção e proteção à amamentação durante a semana entre 1º e 8 de agosto. "Também estamos no Agosto Dourado, com ações em todo o país", pontuou.

Existem diversas leis estaduais que protegem e incentivam o aleitamento materno, inclusive prevêem multas se houver contrangimento ao ato de amamentar. Conheçam os direitos de mães e bebês sobre o tema na consulta oficial da legislação clicando aqui.

Permitida a reprodução , desde que contenha a assinatura "Agência ALMS".
Crédito obrigatório para as fotografias, no formato "Nome do fotógrafo/ALMS".